O Governo do Estado pretende fechar postos da Administração Fazendária em quatorze cidades mineiras, dentre as quais Jacutinga. Isto se deve ao fato de que em 2019 a Assembleia Legislativa ter aprovado o Projeto de Lei nº 367/19, que trata da reforma administrativa do Estado, e que permite o fechamento dos postos da AF em certos casos, como está sendo proposto em Jacutinga e outros 13 cidades.
Isto se deve a conhecida falta de diálogo do Governo com a sociedade em relação aos transtornos causados ao público (contribuintes e sociedade), que serão gerados com o fechamento das AFs, exigindo de nossas lideranças empenho para garantir a manutenção da AF em Jacutinga.
Existe previsão de que as AFs com arrecadação média mensal superior a R$ 1 milhão seriam mantidas, po­rém, ainda assim Jacutinga estaria sendo alvo da intenção de fechamento, mesmo com a garantia de manutenção em razão do volume de arrecadação tributária.
Chegou então o momento das lideranças locais mostrarem seu prestígio político e representatividade junto ao Governo do Estado, seja de forma direta seja através

de deputados de seu partido ou mesmo de outros, pois não são fotos publicadas nas redes sociais que demonstram prestigio político, mas sim atitudes efetivas e eficientes que se revertam em benefícios aos jacutinguenses; afinal, nossa população não escolheu “tietes” de políticos, mas sim em representantes que tem o dever de exercer a defesa tanto dos interesses políticos quanto os sociais da nossa população.

Veja os impactos  deste fechamento

O fechamento da AF causa um prejuízo enorme para os jacutinguenses, que terão que recorrer à outra cidade para ter atendimento, além de assumir custos de advogado, contador e despachante para realizar tais serviços, entre outros inconvenientes.
Para Jacutinga, os danos seriam irremediáveis. Além do desprestígio, terá fortes impactados pela perda da arrecadação, já que o chefe local acompanha o VAF – Valor da Arrecadação Fiscal, que reflete nos repasses feitos ao Município, e por certo ocorrerá evasão de receita para Jacutinga, o que foi denunciado pelo Sinffaz – Sindicato dos Técnicos em Tributação, Fiscalização e Arrecadação de Minas Gerais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *